dezembro 5, 2018

Alynda Lee Segarra

A cantautora norteamericana de descendência portorriquenha Alynda Lee Segarra (Hurray for the Riff Raff) e seu álbum-conceito The Navigator.

Alynda Lee Segarra

agora os políticos todos
apenas batem boca & falam
em construir um muro
& manter-nos
do lado de fora
enquanto os poetas
— presas fáceis —
morrem rapidamente
de uma doença silenciosa

Rican Beach

ALYNDA LEE SEGARRA é a pessoa por trás da banda de indie rock Hurray for the Riff Raff's. De descendência portorriquenha, nascida no Bronx, sua adolescência foi marcada pelas performances poéticas que ocorriam no Nuyorican Poets Cafe [1] e pela (nem sempre amigável) companhia dos crusty punks [2] da Tompkins Square Park. Em entrevista ao New York Times a cantautora relembra:

Os garotos punks me diziam: "você não é portorriquenha, você é branca". Já os garotos portorriquenhos me questionavam: "Quem se veste assim como você? Quem é você, afinal?

"O acerto de contas com sua história pessoal ocorre com o lançamento do álbum-conceito The Navigator. Nesse seu sexto trabalho, Segarra traça poética e musicalmente a trajetória de Navita Milagros Negrón. Numa espécie de concerto off-Broadway, a história de Navita se confunde com a da própria cantautora que saiu de casa aos dezessete anos para tocar nas ruas e conhecer as raízes da música folk norteamericana.

Em tempos de Trump, muros e deportações, a novaiorquina dá voz em suas letras a personagens portorriquenhos (poetas, feministas, personalidades trans) com seus sonhos, artes e idiossincrasias. Sobre seu alter-ego diz Segarra:

Navita Milagros Negrón é a garota que cresceu na cidade de Nova York e que busca entender a história de seu povo.

A canção-título é um tema aboleirado que dá dramaticidade ao enredo proposto pela poeta. Na introdução, escutamos o idioma espanhol na voz de um camelô a vender suas bugigangas. Spainglish, a fronteira de dois mundos que se chocam:

Hoje me sinto abatida
Mas amanhã sou a rainha
Fui criança criada na rua
Você sabe o que isso significa?
Toda dor que sofri
Apenas começa de novo a existir
Numa menininha[3]



Navita é a latina que cruza esse universo de solidões, muitas redes, pouca solidariedade. A ideia da personagem surgiu com a audição tardia, como apontou em entrevistas a cantautora, de The Rise and Fall of Ziggy Stardust and the Spiders from Mars (1972).

Nesse álbum, o ouvinte é apresentado ao alter-ego de David Bowie, Ziggy Stardust, E.T. que veio à Terra para nos salvar. Assim como a persona de Bowie, Segarra fala desse povo latino, pejorativamente chamado "los caramelos", habitantes de um espaço que não os aceita inteiramente, via de regra. Extraterrestres que buscam encontrar sua nave-mãe.

Aonde todo meu povo irá?
O navegante precisa se inteirar
Aonde todo meu povo viverá
O navegante não perdoará

Nas doze faixas do álbum destacam-se Hungry Ghost, Rican Beach, Fourteen Floors e Pa'lante. Pa'lante integrou a trilha do sexto episódio de Sharp objects (HBO). Nessa peça podemos ouvir a voz do poeta e ativista de Porto Rico Pedro Pietri (1944-2004) oralizando seu poema Obituário portorriquenho.

Pedro Pietri lendo Puerto Rico Obituary


O vídeoclipe, com locações em Porto Rico, tem 8 minutos de duração e ares de documentário. Vale a pena a audiência atenta.


ESCUTE AS FAIXAS

The Navigator (2017)

  1. Entrance 01:43
  2. Living In The City 03:16
  3. Hungry Ghost 03:25
  4. Life To Save 02:56
  5. Nothing's Gonna Change That Girl 04:00
  6. The Navigator 03:07
  7. Halfway There 02:11
  8. Rican Beach 03:32
  9. Fourteen Floors 04:13
  10. Settle 02:57
  11. Pa'lante 05:53
  12. Finale 03:21

PUERTO RICO IS A BEATIFUL PLACE PUERTORRIQUEÑOS ARE A BEATIFUL RACE


  1. O Nuyorican Poets Cafe é uma organização sem fins lucrativos localizada em Manhattan. Com o tempo se tornou espaço cultural que abriga poesia, música, hip hop, slam, vídeo, artes visuais, comédia e teatro. ↩︎

  2. Segunda geração anarco-punk surgida na Inglaterra no fim dos anos 70 e início dos anos 80. ↩︎

  3. Today I feel weak / But tomorrow I’ll feel a queen/ I was raised by the street / Do you know what that really means?/ All the hurt I've suffered/It just begins again/In a baby girl/ Oh where, will all my people go?/ The navigator wants to know / where, will all my people live? / The navigator won't forgive ↩︎