Um rio não é de ninguém.
Aqueles que ficam e os que partem
compartilham sua beleza.

Um rio é do olho não da fotografia.
Um rio é o mais perto que chegamos
da democracia.

Um rio não é desumano.
Tem várias nacionalidades e laços de sangue.
Posso ser seu filho, vizinho ou conterrâneo.

Um rio que morre no Norte
afoga o Sudeste
e o mar Atlântico.

A lavadeira, a mulher nua,
o pescador, o menino e o contrabando.
Tudo um rio foi testemunha.

O jet-ski o descabela,
mas o mercúrio {ou o mergulho}
não lhe tira a sabedoria:

um rio sabe guardar segredos
e é menos covarde
que os homens.